5 características de enfermeiros líderes de sucesso

O que é liderança? E como definir as características de um profissional que tenha aptidão para ser um líder? Independentemente da área de atuação – seja administração, tecnologia ou saúde -, algumas características são intrínsecas a um líder nato, como bom relacionamento interpessoal, facilidade de comunicação, conhecimento técnico e, acima de tudo, senso de responsabilidade apurado. “Todos os líderes, independentemente da área ou atividade, devem aprender a praticar melhor escuta, pois ela abre os portões da aprendizagem, permitindo que o relacionamento flua e seja harmonioso”, diz Rodrigo Corrêa Leite, gerente de desenvolvimento organizacional da 3 Corações S/A.

Na área da saúde não é diferente. É preciso saber escutar, do paciente ao colega profissional de saúde, para que a assistência seja segura e de qualidade. Para o Dr. Breno Figueiredo Gomes, Clínico Geral pela Sociedade Brasileira de Clínica Médica, com MBA Executivo em Saúde pela FGV – Fundação Getúlio Vargas, além de ouvir é preciso ser o exemplo. “A liderança moderna envolve, em primeiro lugar, o exemplo. O líder moderno precisa ser o exemplo”, fala.

No dia a dia da uma instituição de saúde, a enfermagem é que está mais presente, seja assessorando o médico, medicando o paciente ou apenas conversando com o paciente e seus familiares. “O enfermeiro é visualizado como uma referência para a equipe multiprofissional, principalmente pelo bom senso, responsabilidade e poder de comunicação com todas as partes envolvidas”, afirma Karina Pires, diretora de Operações do IBSP.

Dentro da equipe da enfermagem, também há aqueles que se destacam como líderes, tornando-se referência aos demais colegas para esclarecimento de dúvidas corriqueiras do dia e até como um consultor para traçar a evolução profissional.

A enfermagem tem evoluído e não se limita apenas a técnicas e procedimentos. Atualmente, com seu avanço técnico-científico, o enfermeiro assume papel de liderança, gerenciando sua equipe em várias dimensões”, diz Marcia Martins, diretora técnica de Serviço da Divisão de Enfermagem do Instituto Central do Hospital das Clínicas, HCFMUSP.

Confira, a seguir, as cinco características de um enfermeiro líder.

Comunicação
A comunicação é a base do atendimento seguro do paciente. E a primeira característica de um enfermeiro líder é justamente saber usar a comunicação em prol da equipe e do paciente, estando sempre aberto ao diálogo, às críticas e sugestões.

Quando eu falo sobre comunicação, não estou referindo apenas às palavras. Elas são parte dessa história, pois dois terços do que acontece com as pessoas é não-verbal. E o que é o não verbal? Tudo que envolve os gestos, expressões faciais, distância que eu mantenho das pessoas, linguagem corporal aliada aos fatores do meio ambiente, o silêncio que utilizo”, diz Maria Júlia Paes da Silva, enfermeira e professora titular aposentada da Escola de Enfermagem da USP, com livre-docência em comunicação interpessoal. Entender e saber usar todas as formas de comunicação é o que diferencia um líder das outras pessoas.

Conhecimento
O enfermeiro líder tem que ter conhecimento da área que ele está atuando, para melhor orientar sua equipe, inclusive porque, cada vez mais, este profissional de enfermagem tem importância vital na gestão de risco a pacientes em hospitais. “O enfermeiro que não estiver adequadamente preparado para o cenário atual do cuidado, de alta complexidade, principalmente no âmbito tecnológico, pode incorrer em erros e falhas, gerando insegurança nos processos de trabalho”, comenta Marcia Martins.

O profissional precisa ser claro nas suas condutas e orientações para que o paciente aceite, acolha e persiga esse caminho, garantindo um bom resultado no atendimento”, diz Maria Júlia.

Responsabilidade
A responsabilidade deste profissional cresce a cada dia, pois a função do enfermeiro tem tido avanços no cenário atual, ganhando destaque na gestão de equipes com capacidade de solucionar problemas e fortalecer as instituições. Muitas questões relacionadas à segurança passam pelas mãos da enfermagem. “Por exemplo, identificação do paciente, a lavagem das mãos de todos os profissionais antes de todos os cuidados e do preparo aos cuidados do paciente, prevenção na queda do paciente, uso de tecnologia como bomba de infusão e outros equipamentos seguros na prestação do cuidado ao paciente, uso de conectores de cores diferentes etc.”, reforça Liliane Bauer Feldmann, enfermeira, doutora, coordenadora do GT Segurança do paciente no COREN-SP, do Núcleo Metropolitano SP da REBRAENS, além de gestora do serviço de ortopedia do Hospital Albert Sabin.

Bom senso
Um enfermeiro líder deve ter bom senso na execução e na forma de liderar, principalmente bom senso em avaliar qual é a capacidade, as limitações, as qualidades, os pontos negativos e positivos da sua equipe. Só assim poderá tirar o melhor de cada membro da equipe, garantindo, antes de qualquer coisa, a segurança do paciente.

Autoconhecimento
O profissional da área da saúde, para humanizar o atendimento, precisa lembrar que ele é humano, em primeiro lugar. “Você se coloca no lugar do outro, percebe que nenhuma pessoa é uma doença, mas um ser humano. A partir deste processo de autoconhecimento, surge a humanização do atendimento”, acredita Maria Julia. Com essa característica cada vez mais aflorada, entende-se que ao se conhecer bem, um líder sabe ser humano no atendimento ao paciente.

Fonte: Instituto Brasileiro para Segurança do Paciente – IBSP.