SUS: diagnóstico do câncer de mama ainda é tardio

interna_cancer

Pesquisa divulgada pela fundação Laço Rosa durante o Fórum de Políticas para o Câncer de Mama realizado no dia 31 de março, na cidade do Rio de Janeiro, constatou que o prazo para acesso ao diagnóstico de câncer de mama realizado pelo Sistema Único de Saúde (SUS) ainda é tardio. Embora a qualificação dos exames tenha recebido avaliação positiva por parte dos usuários do serviço, a sondagem mostrou que o tempo médio de espera pode variar entre 8 a 9 meses para a entrega do diagnóstico. De acordo com a pesquisa, 19% das pacientes do SUS necessitam recorrer a plano de saúde ou exames particulares para complementar exames cobertos pelo SUS; 77% passam pelo atendimento de até quatro médicos, em vez de um único profissional que possa acompanhá-las do início até o final do tratamento. Outros resultados revelam que um terço das entrevistadas têm parentes de primeiro grau com câncer de mama e que, para elas, receber o diagnóstico e perder o cabelo são os piores momentos da doença. A presidente voluntária da Fundação Laço Rosa, Marcelle Medeiros, afirma que 83% das mulheres nunca utilizaram o trabalho de organizações não governamentais (ONGs) que atuam nessa área: “Isso demonstra que não existe uma relação entre o poder público e as organizações da sociedade civil que poderiam, muitas vezes, estar ajudando o poder público nesse trabalho”. Falta, sustentou, uma política pública que inclua as organizações sociais nesse debate. Durante o fórum, começou a ser construído um termo de compromisso para melhoria do cenário atual e será colocado para consulta pública. O fórum terá continuidade pelas redes sociais, com o objetivo de construir as melhorias propostas.