Evite estereotipar pacientes

Preconceito-Categorização-e-Estereótipos

Um estudo realizado pela Universidade do Sul da Califórnia, nos EUA, apontou que os pacientes que se sentem julgados por profissionais da saúde são menos propensos a seguir instruções médicas e mais propensos a desconfiarem de seus doutores e outros servidores do setor. Além do enfraquecimento da relação médico-paciente, estes apresentam maiores chances de desenvolver hipertensão e depressão, e também costumam ignorar problemas de saúde até que eles atinjam o estado grave.

Alguns estereótipos na saúde podem ser um efeito colateral precipitado de campanhas de conscientização de saúde. Segundo matéria do FierceHealthcare, alguns exemplos de campanhas possuem tais consequências, como as que são voltadas para a educação de mulheres Afro-Americanas sobre a pílula anticoncepcional, para comunidade LGBT sobre HIV/AIDS, para mulheres sobre depressão e programas que atribuem problemas de memória à terceira idade, pois podem levar ao desenvolvimento de um conceito errado para as pessoas que não fazem parte desses grupos.

Isto não é dizer que certas preocupações do meio da saúde não possam ser endereçadas a comunidades específicas, mas a forma como as instituições de saúde se comunicam sobre isso precisa melhorar. Para evitar o problema, o treinamento de médicos e suas equipes sobre as diferenças culturais é primordial, uma vez que podem ser essenciais para a quebra de estereótipos e promoção de bem-estar ao paciente. É hora de implementar políticas que priorizem a competência cultural no treino de escolas de medicina e aumentem a diversidade dos médicos e a expansão da força de trabalho na saúde.