Medicina de precisão e da genômica: a esperança para o câncer

Digital illustration of Cancer cell in colour  background

Estudo realizados acerca da medicina de precisão demostram que, ao contrário da quimio e da radioterapia, as células sadias podem ser preservadas. Esta abordagem e, sobretudo, a imunoterapia, que potencializa o sistema imunológico para destruir as células tumorais, estão revolucionando a oncologia. Pesquisadores americanos analisaram que associada à genômica, a medicina de precisão tem o potencial de aumentar as opções e a eficácia no tratamento de certos tipos de câncer. Resultados preliminares de um teste clínico de fase 2 foram considerados “animadores”. Dos 129 participantes do teste, 29 afetados por 12 tipos de câncer em estágio avançado, responderam positivamente a moléculas que não tinham sido aprovadas para o tratamento destes tumores pela agência americana de medicamentos, a FDA. Sete em cada vinte deles sofriam de câncer colorretal, três em cada oito tinham tumor na bexiga e três em seis, de câncer nas vias biliares. Nos 58 estudos do tipo, que recorreram à medicina de precisão, os tumores cancerosos diminuíram em mais de 31% quando as moléculas empregadas no tratamento estavam dirigidas especificamente aos pontos fracos do tumor. Quando este não foi o caso, a diminuição do tumor foi de apenas 5,1%. Os testes genômicos dos tumores para determinar suas características genéticas estão a cada dia mais acessíveis. “Estudos como este ajudarão os pacientes a se beneficiar em maior grau da medicina personalizada”, explicou o doutor John Hainsworth, do Sarah Cannon Research Institute de Nashville (Tennessee).