Pesquisadores desenvolvem vacina que evita a volta da leucemia

vacina-leucemia-mieloide-aguda

Pesquisadores dos Estados Unidos desenvolveram uma fórmula composta por células humanas, que aplicada em pacientes após o fim das sessões de quimioterapia, evita o retorno da doença. A vacina é direcionada a leucemia mieloide aguda (LMA) e funciona sem a necessidade de transplante de medula óssea, principalmente em pacientes adultos, que tem grandes restrições a esse procedimento.

A fórmula desenvolvida foi testada em 17 pessoas que haviam realizado quimioterapia e se recuperavam do tratamento, período em que as recaídas são bastante comuns. Os participantes mostraram tolerância à fórmula protetiva, que desencadeou a expansão de células-T específicas para o combate à leucemia por mais de seis meses. Nenhum deles mostrou recaídas depois de um ano da vacinação e 12 permaneceram sem leucemia após quatro anos e nove meses.

A equipe liderada por Jacalyn Rosenblatt, autora principal da pesquisa e professora da Faculdade de Medicina da Universidade de Harvard realizará outros experimentos em pacientes atendidos em 15 centros de pesquisa de câncer.

Segundo Volney Lara Vilela, médico hematologista do Centro de Oncologia do Hospital Sírio-Libanês, unidade de Brasília, essa etapa que vai ampliar o número de participantes é importante para testar a vacina, uma solução, segundo ele, que parece ser promissora e acessível. “Trata-se de um trabalho que não está tão distante de nós. Essa vacina poderia ser acessível também aqui no Brasil. Não se trata de um trabalho tão complexo e mostrou muito pouco efeito colateral, apenas o equivalente às vacinas usadas normalmente”, justifica.