Traqueostomia: diretrizes indicam procedimento em crianças

Traqueostomia: diretrizes indicam procedimento até em crianças com menos de um ano

A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) e a Academia Brasileira de Otorrinolaringologia Pediátrica (ABOPe) produziram um consenso sobre a traqueostomia em pacientes pediátricos com o objetivo de gerar recomendações nacionais sobre os cuidados adequados com as crianças traqueostomizadas. O documento foi construído por especialistas experientes em traqueostomia pediátrica, como otorrinolaringologistas, pediatras de cuidados intensivos, endoscopistas e pneumopediatricianos.

Confira a íntegra do consenso aqui.

O consenso aborda diversos pontos importantes que envolvem a traqueostomia, como a indicação, o tipo de cânula, técnica cirúrgica, cuidados e recomendações relacionados à aspiração, possíveis complicações, terapia da fala e avaliação audiológica, decanulação, além das conclusões finais.

“O tamanho da cânula deve ser adequado para a criança, levando em conta peso e idade, além do uso de punhos serem indicados apenas para otimizar a ventilação e reduzir temporariamente o impacto da aspiração, quando presente”, informa o documento.

“Recomenda-se o uso de profilaxia antibiótica após a técnica cirúrgica, sendo geralmente utilizada uma cefalosporina”, ressalta o consenso.

“A indicação de radiografia de tórax após a traqueostomia deve ser considerada em crianças com menos de um ano de idade para certificar que a cânula está bem posicionada em relação à carina da traqueia. Em crianças mais velhas, a radiografia de tórax pós-operatória pode ser padronizada em unidades de terapia intensiva, mas não é rotineiramente recomendada para todas as crianças”, pontua o documento.

Fonte: IBSP – Instituto Brasileiro para Segurança do Paciente.