Trocar as luvas antes da sutura abdominal reduz em quase 50% a taxa de infecção pós-parto

Resultados de um estudo randomizado apresentado no ACOG 2017, realizado entre os dias 6 e 9 de maio de 2017, mostrou que trocar as luvas antes da sutura abdominal pode ajudar a reduzir as chances de complicações relacionadas à cirurgia cesariana, como a própria infecção e problemas relacionados ao corte, como celulite e deiscência, que é a abertura espontânea de suturas cirúrgicas.

A infecção do corte após uma cesariana é uma das principais causas de mortalidade materna, longa permanência hospitalar e custos médicos altos. A taxa de infecção do sítio cirúrgico após uma cesariana gira entre 3% e 15%.

Essa taxa alta é decorrente da própria natureza do processo, já que as luvas do cirurgião e dos seus assistentes são contaminadas por bactérias do trato genital inferior, funcionando como sementes em um território que até então era estéril. Este novo estudo, liderado pelo Dr. Buvana Reddy, de Woodbury, Minnesota (EUA), apresenta resultados animadores no que diz respeito à troca das luvas após o nascimento do bebê.

Estudos anteriores x atual
Estudos anteriores não chegaram a mostrar a relação entre a troca de luvas e a redução da infecção no corte durante o pós-operatório.

Houve apenas uma revisão da literatura médica através de um pequeno estudo com 92 pacientes, que foi publicado em 2004 no Journal of Reproductive Medicine. A pesquisa concluiu que “os obstetras podem ajudar a reduzir o número de infecções pós-cesariana ao trocar as luvas cirúrgicas após o parto da placenta”. Mas este o estudo não era muito prático.

O novo estudo é maior e se concentra na contagem de resultados positivos, relacionando a infecção de sítio cirúrgico e o exato momento da mudança de luvas. Considerou-se que o momento ideal é a do fechamento abdominal.

Este estudo se baseou em 553 mulheres que tinham uma cesariana planejada em um período de 15 meses. Os pacientes foram combinados a partir de dados demográficos, tempo de cirurgia geral e a quantidade de perda de sangue.

A conclusão foi: o uso da solução antisséptica pré-operatória na preparação vaginal não alterou os resultados do estudo. E os benefícios de se trocar luva foram impressionantes: quase 50% de redução nos casos de infecção no corte no período pós-operatório. E o custo de implementar um protocolo como este: baixo, cerca de cinco dólares.

Fonte: Instituto Brasileiro para Segurança do Paciente – IBSP.