Uma em cada seis pessoas idosas sofre alguma forma de abuso, diz OMS

Uma em cada seis pessoas idosas sofre algum tipo de abuso, um dado acima do estimado e que ainda deve aumentar à medida que as populações envelhecem em todo o mundo.

Um novo estudo, feiro pela OMS – Organização Mundial da Saúde e publicado na Lancet Global Health, descobriu que quase 16% das pessoas com 60 anos ou mais sofreram abuso psicológico (11,6%), abuso financeiro (6,8%), negligência (4,2%), abuso físico (2,6%) ou abuso sexual (0,9%). A pesquisa baseia-se na evidência disponível de 52 estudos em 28 países de diferentes regiões, incluindo 12 países de baixa e média renda.

“O abuso de pessoas mais velhas está aumentando, pois 141 milhões de pessoas idosas em todo o mundo têm custos individuais e sociais relevantes”, diz Alana Officer, consultora sênior de saúde do Departamento de Envelhecimento e Curso de Vida na OMS. “Devemos fazer muito mais para prevenir e responder à crescente ocorrência de diferentes formas de abuso”.

Abuso de idosos na saúde

A conscientização sobre o abuso de idosos, mesmo que ainda seja um tabu, começou a aumentar em todo o mundo. Os maus-tratos são definidos através de ações ou falta de atuação apropriada que possam vir a causar dano ou angústia a uma pessoa mais velha, ocorrendo em qualquer relacionamento no qual exista uma expectativa de confiança. Todos os tipos de abuso de idosos podem ter um impacto na saúde e no bem-estar da pessoa mais velha.

O abuso psicológico é o mais comum e inclui comportamentos que prejudicam a autoestima ou o bem-estar de uma pessoa mais velha, como xingamentos, sustos, situações que causem vergonha, destruir propriedades privada ou impedir que eles vejam amigos e familiares.

O abuso financeiro inclui o uso ilegal de dinheiro, propriedade ou ativos de uma pessoa mais velha. A negligência inclui a incapacidade de satisfazer as necessidades básicas de uma pessoa mais velha, como alimentos, habitação, roupas e cuidados médicos.

Os maus-tratos relacionados à saúde incluem lesões traumáticas e dor, bem como depressão, estresse e ansiedade. O abuso de pessoas idosas pode levar a um risco aumentado de colocação em casa de idosos, uso de serviços de emergência, hospitalização e morte.

“Apesar da frequência e das graves consequências para a saúde, o abuso de idosos continua a ser um dos tipos de violência menos investigados em pesquisas nacionais e um dos menos abordados nos planos nacionais para prevenir a violência”, acrescenta Alana Officer.

Em 2050, o número de pessoas com mais de 60 anos duplicará, atingindo 2 bilhões de idosos no mundo, com a grande maioria vivendo em países de baixa e média renda. Se a proporção de vítimas de abuso de idosos permanecer constante, o número de pessoas afetadas aumentará rapidamente devido ao envelhecimento da população, crescendo para 320 milhões de vítimas até 2050.

“O abuso de idosos raramente é discutido em círculos políticos, menos priorizados para pesquisa e abordados por apenas um punhado de organizações”, observa o Dr. Etienne Krug, diretor do Departamento da OMS para o Gerenciamento de Doenças Não Transmissíveis, Deficiência, Violência e Prevenção de Lesões. “Os governos devem proteger todas as pessoas contra a violência. Devemos trabalhar para esclarecer esse importante desafio societário, entender a melhor forma de prevenir e ajudar, implementando as medidas necessárias”.

Estratégia global e plano de ação

Em maio de 2016, os Ministros da Saúde adotaram a Estratégia Global da OMS e o Plano de Ação sobre Envelhecimento e Saúde na Assembleia Mundial da Saúde. A Estratégia fornece orientação para ações coordenadas em países que se alinham com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

As ações estratégicas prioritárias contra maus-tratos de idosos incluem:

  • Melhorar os estudos sobre a frequência do abuso de idosos, particularmente nos países de baixa e média renda do Sudeste Asiático, Oriente Médio e África, para os quais há poucos dados;
  • Recolher evidências e desenvolver orientação sobre o que funciona efetivamente para prevenir o abuso de idosos. Como primeiro passo, os governos precisam avaliar os esforços existentes, como treinamento para cuidadores e uso de linhas telefônicas, e publicar esses dados;
  • Apoiar os países para prevenir e responder ao abuso de idosos;
  • Dia Mundial de Conscientização contra o Abuso de Idosos.

A Assembleia Geral das Nações Unidas, na sua resolução 66/127, designou 15 de junho como Dia Mundial do Consciente do Abuso de Idosos. Representa um dia do ano em que o mundo inteiro pode expressar sua oposição ao mau-trato se ao sofrimento infligido às gerações mais velhas.

Fonte: Instituto Brasileiro para Segurança do Paciente – IBSP.